Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
17 de Abril de 2010

Portugal é "uma mutualidade", uma entidade unificada, onde não cabem regionalismos. Nem dos grandes, políticos, nem dos pequeninos, afectivos e de pura rivalidade.

Nacionalista convicto - "nos tempos que correm, é um defeito" -, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM) cumpre os últimos meses de mandato igual a si próprio. "A OM nem é a oposição de serviço (ao Ministério da Saúde), nem o aplauso de serviço". E por isso é que Pedro Nunes dá uma no cravo e outra na ferradura. E não será só por estar numa informal conversa, à mesa com o JN.

Valença tinha, obviamente, que estar no menu. Nacionalista, pois, não achou piada às bandeiras de Espanha no final do Minho. Mas já achou ao facto de terem ido à RTP com as de Portugal. "A população não tem culpa: se tem uma solução ali ao lado, ora, é Europa". Quem tem é o Governo. Se não neste caso de Valença - a reforma das urgências "está tecnicamente correcta" e, ali, cumpre-se o preceito do serviço adequado a menos de 30 minutos, o resto é a questão afectiva do vizinho que tem mais do que eu -, tem-na noutros pontos do país. Em Bragança, por exemplo.

É aqui que entra a "mutualidade". "O Governo tem que saber que um português de Miranda do Douro tem os mesmos direitos que os de Lisboa. Para que tenha os mesmos direitos que eu, sai mais caro, mas o país tem que estar preparado para isso. E por isso é que há uma lógica retributiva nos impostos."

E o argumento de que não vale a pena ter um médico no centro de saúde para atender uma ou duas pessoas por noite e, por essa via, retirá-lo do atendimento dos utentes durante o dia? "Serve se estivermos a falar ali da Avenida dos Aliados. O Dr. Pizarro (secretário de Estado Adjunto e da Saúde) tem que acrescentar alguma coisa ao argumento: a maior parte das situações não são urgências, é verdade, mas uma vez por ano, duas, há uma verdadeira urgência. E tem que ser atendida a menos de 30 minutos. Tenho que ter a mesma probabilidade de sobrevivência em qualquer ponto do país".

Não obstante, Pedro Nunes está "com a reforma técnica". Porque as rivalidades locais, conhece-as de quando fez serviço médico à periferia em Oliveira de Azeméis e assistia às quezílias com S. João da Madeira. O mal foi a prestação do ex-ministro da Saúde. "Correia de Campos tomou atitudes impensáveis. Fechou antes de abrir, ao arrepio das razões técnicas. Felizmente, Ana Jorge reverteu a fórmula: começou a abrir antes de fechar".

É o drama dos números, que o bastonário dos médicos rejeita como argumento. E de Valença se passa para o resto da Saúde de Portugal. Comparada com "o desejável", põe a cruz no "muito mau. Comparada com o que há em Portugal, escolhe o "bom". "Mas não tem melhorado muito" e a classificação ameaça perder-se se seguir no caminho que Pedro Nunes entende ser o que está a ser percorrido actualmente: colocar o serviço público em concorrência com o privado. Este só pode ser "complementar".

Só sendo o público a pedra basilar do sistema poderá o Estado interferir no desenvolvimento da saúde. Com uma sucessão de unidades independentes, perde-se a capacidade de organização. "Quando deixa de ser o mais importante o cidadão ter o mesmo acesso em qualquer lado, corre-se o risco de privilegiar os doentes com mais meios ou as doenças economicamente rentáveis". Conclusão: a igualdade de acesso à saúde leva a cometer algumas irracionalidades económicas, mas colocou Portugal nos lugares cimeiros "do ponto de vista da humanidade". Uma mutualidade então? "De gente que se apoia independentemente da situação de cada um".

 

Fonte: JN

publicado por Lacra às 12:04
14 de Abril de 2010

O município de Miranda do Douro já aderiu à rede social Facebook. Esta foi uma das muitas formas encontradas para divulgar as actividades e o concelho mirandês. Para aceder escreva http://www.facebook.com/home.php?#!/municipio.mirandadodouro 

 

publicado por Lacra às 12:14
14 de Fevereiro de 2010

 

A agricultura biológica é o tema de debate que vai juntar produtores, agricultores e associações em Miranda do Douro, nesta segunda-feira, dia 15 de Fevereiro.

A palestra insere-se no âmbito do Festival de Sabores e visa esclarecer os produtores e agricultores acerca dos modos de produção, candidaturas e apoios.

Apesar do concelho mirandês ter a agricultura biológica como prática comum, grande parte dos agricultores ainda desconhece os apoios e benefícios de que podem beneficiar. 

13 de Fevereiro de 2010

 O Carnaval na vila de Sendim, em Miranda do Douro já ganhou fama pela sua curiosa celebração.

Aqui toda a população participa activamente para dar forma ao caricato ritual que se realiza no adro da igreja. Cada rua da localidade organiza um pequeno teatro onde se contam diversos episódios, mais ou menos complexos, que aconteceram ao longo do ano no seio da vila.

Perante tal exposição, o Carnaval de Sendim tornou-se já numa sátira social de todos os sendineses e mirandeses.

Este evento junta todos anos centenas de pessoas que querem ver e por vezes participar, neste que é já um evento de passagem obrigatória neste dia de folia e divertimento.

Tradição é o que não falta também ao Carnaval da aldeia da Póvoa. O grupo Cultural e Recreativo Renascer das Tradições e alguns jovens da localidade decidiram este ano recuperar a lembrança e a vivência dos mais velhos para levar a cabo o “Baile de Carnaval”.

Este “Baile” tenta satirizar os acontecimentos decorridos durante o ano, na

Póvoa e nas aldeias vizinhas e fazer desta forma com que se conheçam

alguns segredos que se pensavam bem guardados.

Este é o sucesso do evento, pois quem não gosta de conhecer os “segredos

dos vizinhos?!”

publicado por Lacra às 08:10
10 de Fevereiro de 2010

De 12 a 15 de Fevereiro, Miranda do Douro recebe mais um Festival de Sabores. Durante quatro dias, o certame vai promover a gastronomia local e, ao mesmo tempo, celebrar o Carnaval, como já é tradição desde há onze anos.

Cada um dos dias do evento será dedicado especificamente à gastronomia regional e às raças autóctones. Assim, no primeiro dia o destaque é para o cozido mirandês, um prato típico, elaborado de uma forma bem diferente daquela que é habitual na região. Depois, os restantes dias destacam o cordeiro mirandês, que obteve, este ano, pela primeira vez, a certificação de Denominação de Origem Protegida; o bovino de raça mirandesa, outra das raças autóctones; e, por fim, o porco, matéria-prima de todo o fumeiro regional.

Este ano, o espaço foi ampliado para receber 60 expositores, entre produtores, cozinhas regionais, doçaria típica e o tradicional fumeiro. Para além da gastronomia, o Festival de Sabores contempla um conjunto de actividades culturais, recreativas e desportivas vocacionadas para os visitantes.

Estão programadas várias exposições e seminários temáticos; um passeio BTT e um passeio todo-o-terreno, bem como uma montaria ao javali. Pelo palco do certame vão passar os “Pica Tumilho”, banda de Sendim de “rock agrícola”; bem como os Galandum Galundaina, La Çaramontaina e os Quinteto Reis, a par com os grupos locais e tradicionais de folclore e de pauliteiros.

A feira vai ainda promover junto dos visitantes a realização de rotas turísticas pelo centro histórico da cidade e a realização de oficinas de instrumentos musicais. No entanto, as actividades só serão realizadas para grupos e mediante inscrição prévia no secretariado do certame.

Uma programação variada e aumentada, este ano, para um total de quatro dias que tem como principal objectivo dinamizar o Festival de Sabores “externamente”, como explicou Artur Nunes, presidente da autarquia.

“No passado, enquanto presidente da Associação Comercial, uma das minha maiores críticas ao Festival de Sabores era precisamente o facto de estar voltado para si próprio. Este ano, quisemos dar-lhe uma dinamização maior, envolvendo várias instituições e a população local em diversas actividades que se vão desenrolar paralelamente”.

Uma estratégia que visa atrair sobretudo o mercado espanhol, já que a altura do Carnaval é um dos pontos altos do ano em que Miranda do Douro recebe mais turistas do lado de lá da fronteira.

“É uma autêntica festa em que oferecemos cultura, gastronomia e tradição”, apontou o autarca.

A coincidência de calendário com a Feira do Fumeiro em Vinhais não é motivo de preocupação para Artur Nunes. A Feira do Fumeiro de Vinhais realiza-se sempre no segundo fim-de-semana de Fevereiro, enquanto que o Festival de Sabores de Miranda é realizado sempre na altura do Carnaval. Este ano, os dois certames coincidiram no calendário mas, no entender do autarca, essa pode até ser uma mais-valia.

Artur Nunes entende que os dois eventos podem ser complementares porque são muito diferentes entre si. Ao mesmo tempo, o edil destaca a capacidade hoteleira do concelho de Miranda do Douro, o segundo com maior número de camas, depois de Bragança, como uma mais-valia para a dinamização de uma espécie de roteiro entre os dois eventos.

“As feiras complementam-se e devem coexistir para promover a região e fazer com que valha a pena vir a Trás-os-Montes no Carnaval”, considerou Artur Nunes.

 

Aposta na gastronomia local

A autarquia quer apostar no desenvolvimento da gastronomia local através das cozinhas regionais e do apoio aos produtores locais. Recentemente, Artur Nunes reuniu com os produtores do concelho para auscultar os principais problemas sentidos no sector agrícola e pecuário. A criação de um gabinete de apoio poderá ser o próximo passo da autarquia, que pretende, assim, conhecer melhor as problemáticas e, em conjunto, definir estratégias que promovam o aumento da produção e o seu escoamento.

“Há necessidade de reorganização e é preciso criar parcerias com os agentes locais e económicos para dinamizar todo o sector agrícola e pecuário”, afirmou o autarca.

A pretensão de dinamizar um roteiro pelas várias cozinhas regionais continua em cima da mesa. A câmara ainda não tem dados sobre o volume de produção das cozinhas regionais, mas está já a fazer um estudo que permita depois encontrar formar de dinamizar esse sector.

O processo de licenciamento das cozinhas regionais está também a ser acompanhado de perto pela autarquia que visa assim dar o seu contributo para a certificação e para a possível implementação de mais infra-estruturas deste género, para assim dinamizar o potencial gastronómico do concelho.

24 de Janeiro de 2010

A Associação luso-espanhola VinDuero-VinDouro está a oferecer pacotes turísticos de um dia, durante o qual os participantes são levados a provar a rica gastronomia do Parque Natural do Douro Internacional (em Portugal) e Parque Natural Arribas do Douro (Espanha), mas também a conhecer a paisagem, o património e cultura da região transfronteiriça. A iniciativa, designada “Caminhos do Queijo e do Vinho”, teve início a 16 de Janeiro e prolonga-se até 14 de Março, aos Sábados e Domingos.

Em cada dia a organização oferece um programa em diferentes lugares de Portugal e Espanha. Ao todo participam na iniciativa 16 restaurantes, que servem servir pratos elaborados com produtos regionais e acompanhados com vinhos produzidos ao longo do Douro Internacional. Completam a agenda oito adegas e três queijarias.

As inscrições para participar podem ser feitas através do www.rutaintercionaldelvino.com, ou pelo número de telefone 923141504. O pacote de um dia custa 40 euros.

Quem quiser participar apenas no almoço paga 30 euros. De manhã, os participantes são levados a uma adega, onde, alem de provar o vinho é feita uma explicação de todo o processo de produção, desde a poda das cepas ao produto final. Segue-se o almoço, num dos restaurantes aderentes, compostos por quatro pratos, dois dos quais elaborados com queijos da região. À tarde está prevista a visita a uma queijaria, para que os visitantes possam provar, mas também conhecer todo o processo da fabrico do queijo.

Entre os períodos de degustação, estão previstas visitas guiadas para que os participantes possam conhecer também a paisagem, a cultura e o património da região. José Luís Pascoal, alcaide de Trabanca, Espanha, explicou, em conferência de imprensa (realizada em Miranda do Douro, na semana passada, para apresentar a iniciativa em Portugal) que este é um pacote turístico cujo objectivo é levar os visitantes a desfrutar deste território, com “os cinco sentidos”, unindo “a gastronomia espectacular”, à “beleza natural” e ao património de um do território “impar na Península Ibérica. Artur Nunes, presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, considera este um projecto importante, para promover a hotelaria e restauração da região, bem como todos recursos locais e, deste modo “atrair o maior número de pessoas” a esta terra.

Para o autarca, estes dois produtos marcam a diferença com os restantes pela sua elevada qualidade e pela foram tradicional como são produzidos. Aliada à divulgação dos produtos, está ainda a descoberta de um território que é valioso mas “ pouco conhecido”, sublinhou. Este é o segundo ano em que se realizam os “Caminhos do Queijo e do Vinho”. No entanto, o ano passado, o programa era mais restrito.

O Presidente da Câmara de Miranda do Douro referiu ainda que os projectos transfronteiriços serão uma forte aposta e, além deste, existem outros em elaboração a apresentar brevemente. “A ideia é, basicamente, encontrarmos aqui parcerias, não só privadas como também parcerias público-privadas”. O principal objectivo é envolver as instituições e a seguir os agentes privados que são os “grandes dinamizadores” e podem ser potencializados com os recursos disponíveis na região.

 

Fonte: Mensageiro Notícias

20 de Janeiro de 2010

Vão ser hoje apresentadas as Jornadas Gastronómicas “Caminhos do Queijo e do Vinho” que a Rota Internacional dos Vinhos, sediada em Trabanca (Salamanca) e alguns dos 60 associados tem organizado em vários locais de Zamora, Salamanca e Portugal, para os fins-de-semana do 16 de Janeiro até ao 14 de Março.
06 de Janeiro de 2010

A cidade de Miranda do Douro acolhe, no próximo fim-de-semana, uma das reuniões de trabalho mensais promovidas pelo Ministério da Administração Interna. Nas sessões de trabalho estarão presentes o titular daquela pasta, Rui Pereira, os respectivos secretários de Estado e os 18 governadores civis do território nacional, bem como representantes de outros serviços afectos à Administração Interna. O governador civil de Bragança, Jorge Gomes, adiantou à RBA que este tipo de descentralização é uma prática que já vem da anterior legislatura. “Em vez de se fazerem reuniões em Lisboa, o ministro entendeu por bem, e após consulta aos governadores civis, realizar uma sessão de trabalho em cada um dos distritos”, explicou o responsável. O distrito de Bragança recebe assim, e pela segunda vez, uma sessão de trabalhos de um dos mais importantes Ministérios do País. “Eu propus que a reunião fosse realizada em Terras de Miranda, uma vez que o ministro da Administração Interna nasceu neste concelho”, sublinhou Jorge Gomes. Esta poderá ser uma oportunidade única para divulgar as paisagens, a cultura, a gastronomia, o folclore e a língua deste rincão trasmontano. Quanto à agenda, sabe-se, apenas, que no final dos trabalhos haverá uma declaração pública, proferida por Rui Pereira. Fonte: RBA
28 de Dezembro de 2009

Termina hoje o Festival de Inverno “Geada 2009”, uma festa que visou reviver a cultura, língua e tradições de Inverno do Planalto Mirandês. Sob o mote “Bamos derretir l carambelo!”, que é como quem diz “vamos derreter o gelo”, a Associação Recreativa da Juventude Mirandesa, em parceria com os Pauliteiros de Miranda do Douro, propôs um programa de três dias, 26, 27 e 28 de Dezembro, dedicados exclusivamente às tradições mirandesas. Junto à típica fogueira do Galo, no Lhargo D. João III, em Miranda do Douro, actuaram grupos como os "Lenga Lenga", "Anda Camino", "Grupo de Pauliteiros da Cidade de Miranda do Douro", "Pauliteiricas de Miranda do Douro", "Coro Infantil do AVE de Miranda do Douro" e os "Gaiteiricos de Miranda". Vindos do mundo encantado das gaitas, dos bombos e das tradições aterraram também em Miranda do Douro alguns dos melhores grupos de música tradicional do momento, tal como, os "Pé na Terra", "Tuttis Catraputtis", os "Roncos do Diabo", o "Grupo de Caretos de Podence", os minhotos "Ares da Raia" e o "Grupo de Bombos de São João de Darque" e os galegos "Projecto Trepja", um electrizante projecto de música tradicional electrónica. Em paralelo foi inaugurada a primeira Mostra Associativa das Terras de Miranda e a segunda Exposição Artística da Juventude Mirandesa (Inovart). Entre os vales e arribas das Terras de Miranda, qualquer um pôde dançar à volta da tradicional fogueira do galo, e ao som ecoante das mais belas gaitas-de-foles, dançar pauliteiros e música tradicional mirandesa, tocar instrumentos tradicionais, descobrir a língua mirandesa, conviver nas típicas adegas do centro histórico de Miranda do Douro, passear por algumas das mais belas aldeias do planalto, acompanhando a Rota do Contrabando, fazer e provar enchidos, e deliciar-se com os sabores da gastronomia tradicional mirandesa. O Festival comemorou ainda os 10 anos de oficialização da Língua Mirandesa, promovendo para tal uma conferência dedicada ao tema, realizada ontem, 27 de Dezembro. Este ano, pela primeira vez, para alem da cidade de Miranda do Douro, foram promovidas actividades em outras aldeias do concelho, como São João das Arribas ou Aldeia Nova.

25 de Dezembro de 2009

Com o intuito de contribuir para a preservação da cultura tradicional das gentes raianas das Terras de Aliste, na província de Castilha Y Léon, e Miranda do Douro, no distrito de Bragança, a “La Çaramontaina Associação Cultural”, em conjunto com a mordomia da festa de S. João Evangelista de Constantim e o com o apoio da câmara municipal pretende levar a cabo o “I Ancuntro de Fraitas de las Tierras de Aliste i Miranda”, em Constantim no dia 27 de Dezembro de 2009.

Esta acção transfronteiriça tem  como objectivo a preservação de um instrumento musical tradicional de terras de Aliste e Miranda, na raia nordestina portuguesa, a fraita, ou flauta pastoril. Este é um instrumento que se encontra quase em “vias de extinção” em Portugal, dado existirem poucos tocadores, e que desde sempre foi uma referência musical nestas terras, mesmo antes da assinatura do tratado de Alcanices, em 12 de Setembro de 1297.

O encontro consiste na realização de uma conferência sobre o estudo deste instrumento (14.30h), seguindo-se a actuação e confraternização dos diversos tocadores de Aliste e Miranda do Douro.

Durante a noite, a partir das 21h, vão ser  apresentados os Pauliteiros de Constantim, acompanhados do “carocho i la biêlha”.  

Ao mesmo tempo vão ser servidos tremoços e vinho para todos os presentes, prosseguindo a animação com concerto dos grupos de música mirandesa La Çaramontaina e Trasga.

 

 

últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO