Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
28 de Janeiro de 2009

 Chamaram-lhe “Vice-Rei do Norte”, um “título” que lhe vem dos anos em que chefiou a Região Militar do Norte (RMN), em 1975, e que hoje dá nome ao seu livro de memórias. O general Pires Veloso esteve em Bragança, no passado Sábado, para apresentar o seu “contributo” para a “reposição da verdade da história” e, ao mesmo tempo, prestar uma “homenagem a todos os militares que sofreram arduamente com a presença imposta pelo PCP”.

Pires Veloso, hoje reformado e com 82 anos, foi o último governador e alto comissário de Portugal em S. Tomé e Príncipe e chefiou o RMN durante o Processo Revolucionário em Curso (PREC), um período conturbado de lutas entre as facções de direita e da esquerda.

A 25 de Novembro de 1975 havia de ser reposta a ordem democrática, mas não pelo general Ramalho Eanes, como reza a História.

“Escrevi este livro para que a História pudesse ser reescrita, para rebater a mentira que tem sido contada sobre o 25 de Abril”, afirmou em Bragança.

Segundo Pires Veloso, em 1975 as unidades de Lisboa estavam “tolhidas pela indisciplina e desorganização” e no resto do país a situação não era muito diferente. Mas no Norte estabeleceram-se laços fortes entre o povo e as Forças Armadas e a população ajudou os militares na luta contra o PCP que, segundo afirmou, queria tomar o poder e fazer de Portugal um satélite da União Soviética.

Na altura, Pires Veloso chegou mesmo a reunir com Álvaro Cunhal, em Lisboa, a pedido deste. No livro revela que o dirigente comunista estava então preocupado com “a falta de liberdade democrática que existia no Norte do país” desde que o general Pires Veloso havia assumido o Comando da Região.

“Manifestei-lhe a minha estranheza, contrapondo que o conceito de liberdade democrática de cada um de nós devia ser diferente. Antes de eu ir para a RMN as pessoas eram presas arbitrariamente, não havia mandados de captura legais, as sedes de diferentes partidos políticos eram assaltadas e incendiadas”, disse.

A convulsão que tomava conta do país levou então o general a aplicar medidas que incentivassem um relacionamento “franco, leal e aberto entre todos os militares da RMN” e a própria população. Viviam-se as vésperas de mais um golpe que foi evitado, “foi a derrota, sem sangue, do PCP  e dos grupos de extrema-esquerda”.

Mas o mérito de evitar o que poderia ter sido uma guerra civil, segundo Pires Veloso, deve-se ao general Costa Gomes e aos “pontos de apoio”, como a RMN.

“Tentaram esconder o que foi a Região Militar do Norte e o valor da população e elegeram uns heróis de Lisboa que não fizeram nada”, acusou.

A defesa do Norte e o “título” de “Vice-Rei” valeu-lhe, em 1977, a entrega da espada de prata da cidade do Porto e a manifestação de apoio de cerca de cem mil pessoas. No entanto, Pires Veloso foi, na altura, “impedido” de acolher a homenagem:  “era preciso castigar-me porque tive a ousadia de transformar o Norte, juntamente com a Força Aérea, num bastião que havia ajudado a derrotar o Partido Comunista”, revela no seu livro de memórias.

Estas e outras denúncias são feitas ao longo de 462 páginas, numa autobiografia que conta com o prefácio de Mário Soares. “Vice-Rei do Norte” é sobretudo um testemunho de quem viveu como protagonista um dos principais momentos da História contemporânea de Portugal.

 

últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
17
25
blogs SAPO