Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
20 de Abril de 2010

É necessário criar, em todo o distrito de Bragança, helipistas, locais devidamente pavimentados, com iluminação nocturna, onde as aeronaves possam poisar e descolar com segurança. O alerta foi deixado por Abílio Gomes, presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica, durante a visita da ministra da Saúde, Ana Jorge, ao heliporto de Macedo de Cavaleiros. Desde o dia 1 de Abril que se encontra sedeado no local um helicóptero do INEM, disponível 24 horas por dia para dar resposta às situações de urgência e emergência. O helicóptero serve sobretudo para dar resposta a intervenções primárias, ou seja, ao transporte de vítimas entre os locais das ocorrências e as unidades hospitalares. No entanto, conforme adiantou Abílio Gomes, “o helicóptero não pode chegar a um qualquer sítio, tem de ter condições mínimas para poisar”. Por isso, o presidente do INEM lançou o desafio a todas as autarquias locais para que criem novas superfícies ou condições nas superfícies existentes. Abílio Gomes entende ainda que é necessário identificar as superfícies existentes em Portugal que permitam a aterragem de helicópteros, fazer um cadastro e, com as entidades envolvidas, estabelecer uma rede que possa ser articulada e coordenada da melhor forma. “Entendemos que as autarquias terão todo o interesse em que os seus cidadãos estejam mais próximos do socorro”, apontou o presidente, sublinhando, no entanto que, será necessário “esperar” que surjam “vontades” para colaborar nesse sentido. Uma expectativa que a ministra da Saúde espera que se possa vir a concretizar em vários concelhos: “era bom que todos os locais dispusessem de um espaço para o helicóptero embora este modelo tenha características que lhe permitam poisar e levantar com mais facilidade”. O helicóptero de emergência sedeado em Macedo de Cavaleiros abrange todo o distrito de Bragança, grande parte do concelho de Vila Real, o norte da Guarda e a zona norte de Viseu, atingindo meio milhão de habitantes. Por ano, a aeronave vai ter um custo de 1,6 milhões de euros aos quais se acrescem mais 872 euros por hora de voo e o pagamento da equipa, constituída por médico, enfermeiro e dois pilotos. Para além do helicóptero, em Macedo ficam ainda sedeadas uma ambulância de Suporte Avançado de Vida (SIV) e uma Viatura Médica de Emergência Rápida (VMER). Esta aposta nos meios terrestres visa permitir que, sempre que o helicóptero, por qualquer motivo, não possa voar, esteja disponível uma viatura para levar a equipa onde necessário.
Aproveito esta actualização noticiosa para felicitar o autor deste espaço pelo trabalho que tem vindo a ser desenvolvido. Represento um organismo que incide no Norte do país e gostaria de lhe fazer um convite. Visto não haver um contacto, para que possa entrar em contacto consigo, pedir-lhe-ia que, remetesse o interesse para catarina.c.melo@gmail.com


Agradeço-lhe toda a atenção.
Catarina a 20 de Abril de 2010 às 12:28

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
blogs SAPO