Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
28 de Abril de 2010

O Centro Hospitalar do Nordeste ainda não encerrou as contas mas está previsto um aumento do prejuízo de 4,5 por cento em relação ao ano passado. A dívida, que em 2008 era de nove milhões de euros, deve atingir os 12,5 milhões, relativos a 2009. Um valor que António Marçoa, administrador do Centro Hospitalar, justifica com o aumento de custos associado ao consumo de material clínico, mas não só.

É que segundo o administrador, o Centro Hospitalar do Nordeste está inserido num grupo de hospitais cujas especificidades não são comparáveis, como é o caso do Centro Hospitalar de Santa Maria da Feira.

“O hospital de Santa Maria da Feira serve uma população em maior número mas não tão envelhecida quanto a população que nós servimos. Por outro lado, o hospital de Santa Maria da Feira não tem uma dispersão entre as unidades”, exemplificou.

No entender de António Marçoa, o actual modelo de financiamento é muito “complexo” e não diferencia favoravelmente as regiões do interior. É que a população servida é fortemente envelhecida, com grande necessidade de cuidados de saúde e um rendimento per capita que é apenas 60 por cento da média nacional. Ao mesmo tempo, o facto do Centro Hospitalar do Nordeste receber substancialmente menos que outros centros, como o de Vila Real, por exemplo, pela prestação dos mesmos cuidados de saúde, faz disparar os custos.

Assim, um mesmo episódio de urgência recebido no Centro Hospitalar do Nordeste ou no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, é pago pelo Estado de forma diferenciada, sendo que o valor pago ao Centro Hospitalar do Nordeste é inferior.

Ou seja, no entender do administrador, o que faltaria seria “aplicar os mesmos custos de estrutura a uma região particular que é o interior, todo o interior porque as especificidades da população fazem com que tenhamos custos superiores”.

Marçoa considera que se o Centro Hospitalar do Nordeste recebesse um financiamento idêntico ao do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes pelos mesmos serviços prestados, as contas estariam equilibradas.

“Se o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes recebesse pelos mesmos valores que nós, receberiam menos 25 milhões de euros por ano”, adiantou, esclarecendo que, nessa situação, o Centro sedeado em Vila Real, não teria saldo positivo de dois milhões mas antes “mais de 20 milhões de saldo negativo”.

Ainda assim, Marçoa justifica o aumento da dívida também com o aumento do consumo de material clínico associado às cirurgias das cataratas, um sector onde o Centro Hospitalar reduziu as listas de espera. Também ao nível da cardiologia, otorrino, e o investimento nas cirurgias de ambulatório fizeram aumentar os custos, sendo por isso que o responsável afirma que “em saúde, é difícil falar em resultados”.

Já com o pessoal o aumento foi de 2,2 por cento, mas não estão programados despedimentos até porque não há excesso de funcionários.

“O grande peso do pessoal ainda está na área clínica, na parte de enfermagem, auxiliares de acção médica e a componente médica. A parte administrativa e os técnicos dos meios complementares de diagnóstico são uma componente minoritária”, apontou.

Não obstante os resultados negativos, Marçoa aponta que o indicador de autonomia financeira é saudável e frisa os benefícios dos serviços prestados com os investimentos que têm vindo a ser realizados. Apesar de discordar do modelo de financiamento, o administrador considera positivo o modelo “hospital – empresa” porque veio trazer responsabilizações à gestão hospitalar.

Ainda assim, Marçoa frisa que a saúde não se pode gerir “como outra empresa qualquer” porque, tendencialmente, haverá custos acrescidos que têm de ter como contra-partida o aumento do nível dos cuidados prestados.

publicado por Lacra às 12:00

 

 

O Centro Internacional de Voo à Vela, sedeado no aeródromo de Mogadouro, abriu mais um curso da modalidade no qual estão inscritos nove pilotos. Se todos eles conseguirem o brevet, (licença de voo), o Centro será responsável pela formação de metade dos pilotos da modalidade em todo o país.

Nestes últimos cinco anos, o Centro formou cinco pilotos, um número que, embora pareça baixo, corresponde a um terço de todos os alunos formados no país. Estes “salto” que o Centro Internacional tem dado, no panorama nacional, é prova do “sucesso” alcançado, conforme salientou João Henriques, vice-presidente da câmara municipal.

“Se todos os alunos conseguirem o brevet, daremos um salto maior e passaremos a formar metade dos alunos do país a fazer voo planado. É um sucesso do Centro Internacional”, apontou.

O aeródromo de Mogadouro é considerado um dos melhores do país para a prática de voo à vela, um desporto “radical”, não poluente.

“As condições climatéricas e geográficas fazem do aeródromo um dos melhores para a prática da modalidade, igualável com poucos fora do país”, considerou João Henriques.

 

Nova revista consolida projecto

O aparecimento da “Planadouro”, uma revista da especialidade, gratuita e acessível na Internet, elaborada pelo corpo técnico e alunos do curso de voo à vela, é o culminar de todo um projecto iniciado em 2001, com a construção do aeródromo.

Artur Gonçalves, um dos responsáveis deste projecto, explicou que a nova publicação vai servir como plataforma de troca de experiências e registo das actividades realizadas no Centro Internacional.

“É uma plataforma que vai servir para a troca de experiências e de registo dos anseios e dos objectivos alcançados no contexto do Centro Internacional. Ao longo da nossa prática há muita matéria de segurança, muitos conselhos, que agora podem ficar registados por escrito”, apontou.

A publicação pode ser consultada livremente através do endereço http://vooavela.mogadouro.pt. A primeira edição já está acessível, as outras saíram trimestralmente, acompanhando as estações do ano.

“O voo à vela está muito ligado à meteorologia, ao clima e à natureza, factores que têm muita influência neste desporto. A primavera é o início da época de voos, o verão é a estação por excelência para voar, o Outono é a conclusão dessa estação alta e o inverno é o momento para a escola, para tratar dos planadores, fazer as revisões técnicas e para os alunos continuarem as suas aulas”, explicou Artur Gonçalves.

Moraes Machado, presidente da autarquia, entende que esta publicação vai consolidar o trabalho que o Centro Internacional tem vindo a desenvolver, destacando a importância do mesmo na divulgação do concelho e na atracção de pilotos de todo o país e Europa à localidade. A partir daqui, o objectivo é tornar o Centro “mais conhecido” e “aumentar o número de alunos”.

A aposta será também na formação de pilotos do concelho de Mogadouro para que, no futuro, sejam eles os impulsionadores da escola e os seus protagonistas. 



Related Posts with Thumbnails
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
Locations of visitors to this page
Eu sou Jornalista
pesquisar neste blog
 
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
blogs SAPO