Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
02 de Fevereiro de 2010

 Terra D’água, uma das bandas já apuradas para as meias finais do Festival da Canção 2010, vai participar com uma marca “Freixo de Espada à Cinta”.
Tiago Espírito Santo, natural da Vila Mais Manuelina de Portugal, empresta a sua vocação, e assume a letra da música “Amanhã no Mar”.
Recorde-se que Tiago Espírito Santo tem um percurso associado à música enquanto instrumentista (guitarra) da banda “Hell II”, e agora num novo projecto iniciado em Novembro de 2009.
  


O Instituto Politécnico de Bragança criou um Núcleo de Investigação e Intervenção no Idoso. A iniciativa partiu da Escola Superior de Saúde e foi apresentada publicamente durante o sétimo congresso luso-espanhol de Gerontologia.

Este organismo vai já iniciar, em Fevereiro, um projecto de investigação, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, e que tem como objectivo referenciar e avaliar a área específica de intervenção no idoso para que a Gerontologia seja regulamentada como profissão.

Outros dos projectos candidatados e a aguardar financiamento resulta de uma parceria com o Instituto Ciências Biomédicas Abel Salazar e com a Universidade Católica, para toda a região Norte e que pretende acompanhar um grupo de idosos durante três anos e avaliar determinados parâmetros, pré-estabelecidos pelos investigadores.

Helena Pimentel, directora da Escola de Saúde, explicou que este projecto potencia as várias áreas formativas ministradas naquela escola, como seja Dietética, Análises Clínicas, Enfermagem, entre outras.

Assim, o Núcleo vai primeiramente apostar na investigação e só depois partir para a intervenção, como explicou Fernando Pereira, um dos responsáveis do organismo.

“Quando nos tivermos uma base de conhecimento suficientemente consistente, aí poderemos intervir com instituições que se ocupam mais da prática do cuidar dos idosos”.

O Núcleo de Investigação e Intervenção no Idoso foi apresentado durante o sétimo congresso luso-espanhol de Gerontologia, uma iniciativa que contou com centenas de participantes de todo o país e da vizinha Espanha.

 

Igreja é “fundamental” no apoio aos idosos

É nas áreas rurais que os idosos parecem sentir mais problemas, nomeadamente ao nível do isolamento. Segundo o bispo da Diocese de Bragança-Miranda, D. António Moreira, se não fosse a intervenção da Igreja, através dos cerca de 60 Centros Sociais e Paroquias existentes no distrito, esta faixa da população estaria ainda mais desprotegida.

Actualmente, no concelho de Bragança, segundo dados da autarquia, a população idosa, com mais de 65 anos, já atingiu os 25 por cento, mas o número pode ser bastante superior em outros concelhos da região.

O Bispo confessou que nas suas visitas pastorais tem verificado que o crescimento da população idosa é uma “problemática urgente” para a qual as autoridades civis e eclesiásticas têm de estar mobilizadas. D. António diz não estar pessimista em relação ao trabalho que é feito, mas aponta que é sempre possível “fazer melhor”.


O ministro da Agricultura, António Serrano, vai visitar Vinhais, durante a Feira do Fumeiro, para assinar um contrato de financiamento com a empresa local de comercialização da castanha – a Cacovin.

A Cacovin é uma empresa local privada, onde a autarquia vinhaense tem uma participação, e que labora na área da comercialização da castanha. No ano passado, a autarquia anunciou a intenção de se candidatar ao programa comunitário Proder para desenvolver uma nova linha de tratamento e embalagem da castanha e frutos secos, bem como dos legumes.

A assinatura do contrato de financiamento com o Governo vai traduzir-se, segundo o presidente da autarquia, Américo Pereira, na “passagem a uma nova fase”.

“A empresa está a laborar há cerca de três anos e vai agora enrar nua nova fase, no sentido de dar maior resposta às necesidades dos agricultores locais”, afirmou.

O objectivo é criar condições para que “os agricultores possam produzir mais e com a garantia que conseguem o escoamento”.

António Serrano deverá visitar Vinhais no último dia da Feira do Fumeiro, dia 14 de Fevereiro. O certame começa a dia 11 e deve ainda atrair outros membros do Governo, como já tem acontecido em anos anteriores.

No entender de Américo Pereira, a Feira do Fumeiro já alcançou um “estatuto” que a coloca na agenda dos membros governamentais.

“Há feiras que têm estatuto para ser visitadas por membros do Governo, como a de Santarém ou a Ovibeja, ou a Feira do Fumeiro de Vinhais”, apontou.

 

Calendário de feiras em estudo

O autarca só lamenta que os autarcas da região ainda não tenham definido um calendário de eventos que permita que os acontecimentos não se sobreponham entre si.

Na mesma data da Feira do Fumeiro realiza-se, em Miranda do Douro, o Festival de Sabores Mirandeses e é provável que outros eventos aconteçam simultaneamente. Américo Pereira considera que é possível articular os acontecimentos de forma a estabelecer um calendário de Inverno com eventos todos os fins-de-semana, de Novembro a Março.

A autarquia de Vinhais está já a estudar essa solução conjuntamente com os restantes autarcas da raia, como Vimioso ou Montalegre.

Américo Pereira ressalva, no entanto, que há certames que não precisam de marcar data, nomeadamente a Feira do Fumeiro de Vinhais, a de Boticas e a de Montalegre.

publicado por Lacra às 11:08
01 de Fevereiro de 2010

 Bloco de Esquerda de Bragança sugeriu a entrega desta região a Espanha por entender que seria "mais bem tratada" do que pelo Estado português, depois de conhecida a distribuição das verbas do PIDDAC.

O BE classificou, em comunicado, de "atitude provocatória para com as populações e os contribuintes do distrito a verba pouco superior a um milhão de euros que toca a Bragança".

"Foi com estupefação que a Coordenadora do Bloco de Esquerda de Bragança recebeu o PIDDAC para 2010", refere, acrescentando que "não restam dúvidas: de uma vez por todas o Governo coloca Trás-os-Montes fora do mapa de Portugal".  

O BE entende que "melhor seria não terem inscrito qualquer verba neste documento, mais honesto teria sido escreverem no documento que o território de Bragança deixou de ser tido em conta por Lisboa e que aguardam paciente e paliativamente o desaparecimento (morte e migrações) das suas populações".  

"O BE Bragança sugere: entreguem a região a Espanha ou à Galiza que, com certeza, não será tão mal tratada. Ou então optem por uma solução tipo Madeira: região autónoma de Trás-os-Montes e dotem-na de verbas idênticas às da Madeira. Aí sim", conclui.  

Bragança é a região que percentualmente mais perde e Lisboa o distrito menos afetado de 2009 para 2010 na distribuição distrital das verbas do PIDDAC.  

Nas verbas identificadas por distritos e regiões autónomas, todos perdem mais de 40 por cento do dinheiro, com uma exceção: Lisboa, que perde "apenas" 18,2 por cento, passando de 400,2 para 327,4 milhões de euros. 

 

FONTE: JN

 

publicado por Lacra às 16:14

 Os alunos dos politécnicos portugueses vão poder passar a escolher Macau como destino de Erasmus. Foi assinado em Bragança um protocolo entre os institutos politécnicos e o homólogo macaense para iniciar a mobilidade entre alunos e docentes de ambos os países naquilo a que Sobrinho Teixeira, presidente do IPB e do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, chamou de “Erasmus Lusófono”.

O programa de mobilidade vai permitir enviar alunos de Portugal para Macau e vice-versa, mas não só. Com esta iniciativa pretende-se ajudar a manter a Língua Portuguesa na China e chegar a uma das maiores comunidades portuguesas do sudeste asiático – Malaca, com cinco mil descendentes lusófonos.

Sobrinho Teixeira assinou ainda um protocolo para a qualificação das escolas portuguesas que ainda existem em Macau e para a disponibilização de docentes para a República Popular da China onde, segundo Lei Heong Iok, presidente do Politécnico de Macau, há grande vontade de aprender a Língua Portuguesa.

Desde há 30 anos que o ensino da Língua e Cultura Portuguesa estava praticamente extinto no território chinês. Mas, nos últimos três anos, o interesse parece ter renascido e, segundo Lei Heong Iok, já há 15 universidades chinesas, espalhadas geograficamente por todo o território, a leccionar o curso de Português.

Este “Erasmus Lusófono” é uma iniciativa pioneira que, ao contrário do conhecido programa de mobilidade europeia, não terá financiamento garantido. No entanto, Sobrinho Teixeira entende que, por vezes, “é necessário ir na frente e motivar os políticos para o que é a realidade e quais as necessidades”.

 

Parcerias para África

 

Os politécnicos querem ir mais longe para atingir os objectivos da internacionalização a que se propuseram, (no contrato de confiança estabelecido com o Governo), e assinaram já protocolos com a Caixa Geral de Depósitos para criar parcerias em África, nomeadamente nos Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP’s).

Pretende-se, assim, alargar o “Erasmus Lusófono” também a África e criar mestrados e gabinetes de empreendedorismo nos PALOP’s. A Caixa Geral de Depósitos vai financiar a afirmação do sistema politécnico nestes países e, em contrapartida, o sistema politécnico português compromete-se a arranjar parcerias em África com esta instituição financeira.

A qualificação dos estudantes do espaço lusófono e dos quadros da Caixa Geral de Depósitos são outras das metas estabelecidas pelos politécnicos, que pretendem lançar dois mestrados dentro da área financeira destinados aos PALOP’s.

 

Aposta no Ensino Agrário

 

O Instituto Politécnico de Bragança (IPB) reuniu ainda com os responsáveis de instituições do Brasil, de Angola, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe para estabelecer uma espécie de Associação de Ensino Agrário ao nível dos PALOP’s.

O IPB já há alguns anos que está a colaborar com o Instituto Politécnico do Kwanza Sul, em Angola, na formação de docentes e na transmissão de conhecimentos ao nível da agricultura tropical. Actualmente, Angola está a lançar-se num grande programa de incentivo agrícola e de incentivo florestal e o IPB quer dar o seu contributo, através da qualificação e do ensino, conforme explicou Sobrinho Teixeira.

“Há aqui um grande trabalho que podemos fazer na disponibilização de recursos, no intercâmbio e na transmissão dos conhecimentos ao nível da agricultura tropical. Queremos fazê-lo dentro do conceito de Lusofonia, acoplando também o Brasil”.

A experiência no Politécnico de Kwanza Sul tem-se revelado bastante positiva e proveitosa. Segundo Manuel Spínola, responsável desta instituição angolana, este ano começam a sair os primeiros graduados ao nível do bacharelato nas áreas de Agronomia, Zootecnia e Gestão Agrária.

A grande aspiração, segundo contou, é consolidar os cursos e qualificar o pessoal docente ao nível do mestrado e do doutoramento, bem como formar os funcionários administrativos e dotar o instituto de equipamentos laboratoriais.

A consolidação do ensino agrário é visto como um desafio numa altura em que várias províncias de Angola e dos PALOP’s começam a despontar para o desenvolvimento desta área.

 

Carla A. Gonçalves

 

 

publicado por Lacra às 10:15
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
blogs SAPO