Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
09 de Outubro de 2009

Caros amigos e visitantes, estão disponíveis novas sondagens para as autárquicas no distrito de Bragança. Dado que não me é permitido colocar os restantes concelhos na barra lateral, a votação será colocada num post a ser reeditado todos os dias (sem apagar a votação, obviamente). É apenas permitido um voto por endereço IP.

 

 

Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Alfândega da Fé??(online surveys) Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Miranda do Douro?(answers) Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Torre de Moncorvo?(poll) Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Vila Flor?(surveys) Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Mogadouro?(opinion) Em quem vai votar nas próximas eleições autárquicas para a câmara de Freixo de Espada à Cinta?(trends)
08 de Outubro de 2009

Manuela Ferreira Leite esteve em Bragança, no comício de encerramento do PSD, para prestar o seu apoio e homenagem ao candidato Jorge Nunes, considerado pela líder partidária como “um exemplo do que deve ser um autarca e um social-democrata”.

Perante uma plateia repleta de apoiantes, na Torralta, Ferreira Leite elevou o entusiasmo ao dizer que não teve qualquer dúvida em vir a Bragança, um dos poucos concelhos que visitou durante a campanha autárquica.

“Tem sido um concelho e um distrito esquecido pelo Governo Central e que tem evoluído exclusivamente pelo empenho do poder autárquico”, justificou.

A líder assumiu a “defesa” do candidato contra as críticas que o apelidam do “presidente do betão” dizendo que “a grande política de Nunes tem a ver com o desenvolvimento social e económico”. Ferreira Leite não poupou nos elogios a Jorge Nunes, “um autarca extraordinário”, e afirmou mesmo que “não é vulgar” encontrar uma autarquia semelhante à que foi liderada pelo candidato.

O ciclo de investimentos realizados durante os doze anos de gestão autárquica foi uma das grandes bandeiras de campanha do PSD, que abriu o comício com um vídeo com os principais momentos, desde 1997 até 2009.

Para Jorge Nunes foram doze anos em que se realizaram “obras estruturantes” apesar da “gestão ruinosa” em que diz ter encontrado o município após o mandato dos socialistas.

“Foram doze anos em que fizemos obras, apesar da dívida herdada fruto da gestão ruinosa do PS. E, mesmo assim, conseguimos descer esses valores de dívida, como se pode comprovar nas avaliações feitas interna e externamente”.

Nunes falou ainda o “tempo dos socialistas” para dizer que, antes de 1997, freguesias como Pombares ou Rio de Onor, e até mesmo Izeda, “eram completamente esquecidas”.

Manuela Ferreira Leite destacou ainda a “capacidade de Jorge Nunes” para exigir do Governo Central e lembrou a importância dos resultados das autárquicas para o PSD. Um maior número de câmaras sociais-democratas, poderá dar ao PSD, no entender da líder, maior capacidade reivindicativa para acabar com o fosso litoral/interior até porque do Governo diz não esperar “grande coisa”.

Com resultados favoráveis junto das comunidades emigrantes e um número de deputados eleito superior a todos os deputados da oposição juntos, Ferreira Leite aproveitou para dizer que o PSD se vai afirmar como oposição e manter o seu projecto, estando “indisponível” para “ajudar, de forma envergonhada, o PS a governar”.

“Nós estamos fora desse jogo. Somos oposição e vamos trabalhar para nos mantermos como alternativa firme e substituir um poder que não serve”

Em Bragança, o PSD é poder em 44 das 49 freguesias do concelho. O objectivo é manter ou aumentar os votos para “continuar a desenvolver o trabalho realizado”.

Com uma campanha que se pautou sobretudo por acções de proximidade, Jorge Nunes teve o seu grande comício de encerramento marcado pelo apoio incontestável da líder do PSD e pela ausência dos dois deputados eleitos pelo distrito, Ferreira Gomes e Adão Silva. 
 

publicado por Lacra às 09:37
07 de Outubro de 2009

 Um candidato do PS e um candidato do Bloco de Esquerda foram agredidos em plena realização de um comício em Aldeia Nova, Miranda do Douro.

Os agredidos tiveram de receber tratamento no centro de saúde e já apresentaram queixa à GNR local.

Em comunicado à imprensa, a candidatura socialista no município de Miranda do Douro repudiou os recentes episódios de violência física, frisando que “em democracia existe liberdade de opinião, não tendo qualquer justificação a reacção dos militantes do PSD à presença dos dois candidatos do PS e do BE”.

O PS de Miranda do Douro diz ainda que os militantes e eleitos do PSD têm assistido aos comícios do candidato socialista, Artur Nunes, sem que ninguém os incomode.

“No decorrer dos comícios e no contacto com as populações o PS tem repetidamente condenado as atitudes insultuosas e qualquer tipo de violência, seja ela verbal ou física. Este tipo de comportamento envergonha os mirandeses e envergonha a democracia portuguesa”, concluem os socialistas.


Há mais desistências de candidaturas PSD às freguesias do concelho de Vinhais. Em nota à imprensa, a Comissão Política Concelhia do Partido Socialista de Vinhais informa que o cidadão António Hermínio do Ó Claro, candidato a Presidente da Junta de Freguesia de Vilar Seco de Lomba, pelo PSD, apresentou desistência da sua candidatura. Também os cidadãos Ana Maria Pimentel Martins, Manuel do Nascimento Santos, Jacinto dos Santos Gonçalves e Manuel António Sarmento, candidatos à Junta de Freguesia de Rebordelo, pelo PSD, apresentaram desistência das suas candidaturas.

publicado por Lacra às 11:12
04 de Outubro de 2009

 

Jorge Gomes, candidato socialista assumiu-se como a “única verdadeira alternativa” ao actual presidente de câmara e novamente candidato pelo PSD – Jorge Nunes.

“Não me levem a mal as outras candidaturas mas há uma escolha que tem de ser tomada: se querem o Jorge Gomes do PS ou o Jorge Nunes do PSD. Não há outra alternativa, em termos de votos, para poder substituir a gestão autárquica que existe”, considerou o candidato.

As propostas apresentadas ao eleitorado visam, acima de tudo, segundo o candidato, a “humanização da câmara” e o trabalho com os cidadãos.

“Queremos que seja uma câmara activa e participativa em conjunto com os cidadãos e não que as coisas sejam definidas nos gabinetes e em defesa de interesses que não são os dos cidadãos”.

Exemplo disso, apontou, foi o recente anúncio da autarquia para a construção de um Museu da Língua Portuguesa. Jorge Gomes considera que o município tem de discutir os projectos com os cidadãos e definir prioridades.

“Temos aldeias que não têm água, aldeias que não têm saneamento, temos a agricultura a precisar de regadio, temos necessidade de habitação social e damo-nos ao luxo de gastar mais três milhões de euros num museu?”, questionou.

O candidato socialista criticou ainda o conjunto de obras realizadas “à pressa” nos últimos meses pelo actual executivo e levantou dúvidas sobre a legalidade e transparência das mesmas ao nível dos concursos públicos, adjudicações e contratos.

“Com quatro anos de mandato e no espaço de quinze dias abre-se a cidade toda? A que preço e com que intenção?”, ironizou, questionando o “eleitoralismo” da campanha do opositor.

Jorge Gomes quer também ver esclarecidos processos como o Bragaparques ou o Polis e compromete-se a, caso saio vencedor, proceder de imediato a uma auditoria às contas da câmara.

Alvo de críticas foi também a candidatura independente de Humberto Rocha, ex vice presidente de Luís Mina e militante do PS. Jorge Gomes entende que esta é uma candidatura que apenas serve para “dividir e reinar” e questiona de onde vem o financiamento da campanha do independente.

Os socialistas acreditam mesmo que a candidatura de Humberto Rocha servirá apenas para “ajudar” o opositor do PSD e, por isso, apelaram à “não dispersão” dos votos.

A comparação entre o que existe, e que no entender de Jorge Gomes é “uma câmara que continua a trabalhar para a projecção pessoal de um presidente que está mais preocupado com a sua progressão política”, e o que o PS quer fazer, foram as linhas mestras do discurso do comício de encerramento em Bragança.

O candidato ficou pouco agradado com a data que lhe saiu em sorteio, 4 de Outubro, mas surpreso com o apoio de cerca de meio milhar de simpatizantes.

Jorge Gomes considera mesmo que, ao longo do tempo, foi crescendo a receptividade e a força da sua candidatura, sobretudo nos meios rurais, estando, por isso, convicto de uma possível vitória, no dia 11 de Outubro.

 

publicado por Lacra às 21:42
02 de Outubro de 2009

O candidato socialista está apostado em fazer passar a mensagem de que "as pessoas têm de votar com alguma utilidade" numas eleições em que reconhece que poderá haver "dispersão de votos" por estarem na corrida seis candidatos.

"Com todo o respeito que os outros candidatos me merecem, as pessoas têm de ter consciência se querem ou não mudar a gestão autárquica e o que terão de decidir é qual dos Jorges querem".

Jorge Gomes concorre pela segunda vez à Câmara de Bragança, depois de, em 2001, ter perdido para o social democrata Jorge Gomes, actual presidente da Câmara e candidato a um quarto mandato.

Se for eleito, o candidato socialista disse hoje, na apresentação do programa eleitoral, que uma das primeiras medias será suspender a proposta de Plano Director Municipal deste executivo que entende "foi feito à pressão e não foi discutido com a população".

Jorge Gomes critica outras opções do adversário, afirmando que não irá "continuar a investir em obras que enchem o peito do presidente da câmara", em que inclui o recém anunciado Museu da Língua.

"Temos aldeias que não têm água, nem saneamento e damo-nos ao luxo de gastar três milhões de euros em mais um museu", disse.

Na corrida à Câmara de Bragança estão, além de Jorge Gomes do PS e Jorge Nunes do PSD, Guedes de Almeida pelo CDS-PP, José Castro pela CDU, Liliana Fernandes pelo Bloco de Esquerda e o candidato independente Humberto Rocha.

 

Fonte: DN

 

 

 

 

 

 

 

01 de Outubro de 2009

Medidas para fomentar o desenvolvimento rural, fixar jovens no concelho, criar emprego, apoiar os idosos e carenciados, resolver os problemas da falta de água, implementar medidas de apoio ao desenvolvimento local são algumas das principais propostas de Jorge Fernandes, candidato do PS à Câmara Municipal de Vimioso.

Segundo o candidato, a resolução do problema da água, que, segundo indicou, só tem preocupado o actual executivo em anos de seca, passa pela limpeza e desassoreamento de açudes existentes e de algumas zonas ribeirinhas, mas também pela construção de duas albufeiras com grande capacidade. Para Jorge Fernandes o problema não é resolvido com o alteamento de açudes nem com tirar água do Rio Douro, mas com o aproveitamento dos recursos do concelho, através de soluções viáveis. Quanto às preocupações ambientais, o candidato referiu que o facto de Vimioso ter as suas linhas de água em Rede Natura não pode significar que o município não dê resposta às necessidade de abastecimento das populações. “O interesse público tem que prevalecer, como acontece em outros concelhos que também têm rede natura”, explicou.

Jorge Fernandes e a sua equipa apresentam também várias propostas de apoio ao desenvolvimento rural, como realização de parceria com associações de agricultores, isenção de taxas de licenciamento para construção de estábulos, apoio à certificação de produtos agrícolas e reabilitação de regadios tradicionais. O candidato comprometeu-se ainda a lutar para que os serviços da Direcção Regional de Agricultura no concelho estejam abertos de segunda a sexta-feira, e não apenas dois dias por semana, como acontece actualmente.

A equipa socialista prende implementar ainda um plano de fomento de pequenas agro-indústrias, com o apoio à instalação de cozinhas regionais, realização de feiras de produtos locais e criação de uma marca “Vimioso”, para comercialização de produtos agro-alimentares do concelho.

Ainda ao nível do desenvolvimento rural, esta candidatura apresenta ainda medidas de promoção do artesanato, criação de um museu rural, implantação de incentivos à reabilitação de fachadas tradicionais nas aldeias, apoio à recuperação de imóveis degradados, apoio à instalação de unidades de turismo rural, apoio às associações de caçadores, realização de certames cinegéticos e criação de um centro cinegético. Jorge Fernandes pretende ainda implantar um projecto de formação, em conjunto com associações de agricultores, com o objectivo de impulsionar a produção de produtos biológicos.

Ao nível das medidas de apoio à fixação de jovens, algumas das propostas, entre outras, são a criação de estágios profissionais no município e juntas de freguesia, implantação de um regime de isenção de taxas de construção para habitação própria a menores de 55 anos, redução do IRS em cinco por centro, criação um serviço pediátrico de consultas grátis e fomento do empreendedorismo. Se vencerem a Câmara, os socialistas comprometem-se a manter o cheque para os bebés do concelho, mas introduzem-lhe algumas alterações. Em vez de um cheque em dinheiro, será dado aos pais um vale de compras de mil euros que só poderá ser descontado no comércio local.

A candidatura apresenta ainda diversas propostas ao nível das políticas de emprego, entre as quais a criação de um gabinete de apoio ao investidor, criação de uma zona agro-industrial num espaço ordenado na zona industrial, criação de um parque foto-voltaico, criação de uma empresa de limpeza agro-florestal e atribuição de um prémio a empresários em função dos postos de trabalho criados.

O apoio aos carenciados e idosos não é esquecido e Jorge Fernandes quer trabalhar com as instituições de solidariedade social, criar centros de dia, instalar um programa de conforto habitacional entre outras medidas.

Ao nível das medidas de apoio ao desenvolvimento local destaca-se a criação de um gabinete de apoio às juntas de freguesia e reforço do respectivo orçamento. Jorge Fernandes pretende criar ainda um centro de novas oportunidades e estabelecer parcerias com o centro de formação profissional para a criação de cursos profissionais.

Relativamente às infra-estruturas, o candidato comprometeu-se a requalificar a ligação entre Vimioso e Pinelo e entre esta aldeia e Argozelo. A construção de uma praia fluvial entre Argozelo e Pinelo, pavimentação de uma via de acesso entre estas aldeias e a praia fluvial, a construção de um parque de lazer em Argozelo, a criação de um parque empresarial na zona de Argozelo, Carção e Santulhão e criação de reservatórios de água são mais algumas medidas propostas.

 

Fonte: Mensageiro Notícias

publicado por Lacra às 07:00
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
16
17
18
22
25
26
31
blogs SAPO