Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
21 de Abril de 2009

 

 O espaço Flor do Passarinho, em Bragança, tem patente, até dia 11 de Maio, uma exposição do AT1 Collective. Intitulada “Retrato de uma falência”, a exposição procura abordar, de forma transversal e abstracta, realidades universais, reflexões existencialistas sobre a vida e a natureza.

Cada elemento do AT1 Collective procura, através de diferentes meios, explorar uma ideia comum: o equilíbrio entre a Natureza e o Homem. De uma forma multidisciplinar é criada uma ligação entre as obras dos diferentes autores.

O Flor do Passarinho é um espaço dedicado à arte e aos artistas. Situado junto ao Instituto Politécnico de Bragança este é um espaço, fora do circuito comercial, onde são promovidos debates, exposições, workshops, palestras e concertos.

 

“Pisamos uma linha de tempo que, vista da lua, não vale a métrica de um cabelo. Valemos quase nada e a roda, que ainda dura, foi incapaz de guardar para a história o nome do seu inventor numa campa de flores. E, mesmo assim, para quê? (...) Verdades universais e certezas absolutas guardam-nas os deuses no seu relicário de cemitérios. Os deuses que jogam à bola nas imediações das fábricas abandonadas…” -  AT1 Collective


O Governo quer continuar a apostar nas unidades de cuidados continuados como forma de dar resposta a uma população cada vez mais envelhecida e com necessidade de cuidados de saúde pós-hospitalares.

No distrito de Bragança já há uma rede com cerca de cem camas, um número ainda insuficiente e que deverá crescer até ao final do ano com a inauguração de mais equipamentos do género no distrito.

Na semana passada, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, visitou a unidade de cuidados continuados de Miranda do Douro, de Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo e Vila Flor, localidades onde estes equipamentos já estão em funcionamento. Em Miranda do Douro a unidade abriu em Dezembro do ano passado, com 21 camas e, desde então, tem estado sempre lotada.

No entender do autarca mirandês, Manuel Rodrigo, o equipamento não tem as camas que seriam necessárias para dar resposta às necessidades da população, no entanto, considera que “já é melhor que nada”.

Por seu lado, Francisco Ramos justifica que estas unidades são de dimensão limitada e que o Governo ainda está “longe” de ter “todas as necessidades satisfeitas”.  Ainda assim, a nível da região Norte, em três anos, foram criadas mais de mil camas e atendidas perto de 30 mil pessoas.

As unidades de cuidados continuados visam dar resposta aos doentes que, após internamento hospitalar ainda não estão em condições de ficar sozinhos em casa mas cujo internamento deixa de ser justificável. É um serviço que, no entender do secretário de Estado, “ajuda à mobilidade, autonomia e até independência das pessoas”.

Durante a visita à unidade de Miranda do Douro, o Mensageiro ouviu alguns idosos que testemunharam a importância destes equipamentos na recuperação da mobilidade. Exemplo disso mesmo é o caso de Florentina Gonçalves, com 85 anos, natural de uma aldeia do concelho, Atenor, a utente contou que desde que está nos cuidados continuados a fazer fisioterapia já conseguiu subir e descer novamente as escadas.

“De outra forma estaria sozinha em casa. aqui já me ajudaram e consegui subir e descer as escadas duas vezes”, contou satisfeita.

As unidades de cuidados continuados têm sido resultado de um trabalho conjunto entre o Ministério da Saúde e a Segurança Social, autarquias e Santas Casas da Misericórdia.

A par dos cuidados continuados, o Governo está também a apostar na criação de equipas de apoio domiciliário.

 

Respostas para cidadãos com deficiência ainda são escassas 

 

O distrito de Bragança continua a apresentar carências ao nível da criação de lares para pessoas com deficiência. A constatação foi feita pela directora da Segurança Social, Teresa Barreira, à margem da visita do secretário de Estado a Miranda do Douro.

Segundo a responsável, nesta fase têm-se sido várias as entidades a apresentar candidaturas para a construção de lares de idosos e ampliação/remodelação de outros já existentes. A aprovação irá depender do cumprimento dos critérios, um dos quais diz respeito ao índice de compósito do distrito, ou seja, ao número de lares existentes por cidadãos com mais de 75 anos.

Só no concelho de Miranda do Douro existem, pelo menos, duas candidaturas: uma para a construção de um lar em Malhadas e outra para a ampliação do lar de Picote. Teresa Barreira diz estar “expectante” com o resultado das candidaturas mas avisa que o distrito de Bragança tem um índice de compósito bastante elevado. Ou seja, apesar do distrito ser um dos que apresenta elevados índices de envelhecimento, é também um dos que tem melhor cobertura ao nível de infra-estruturas para idosos.

A grande necessidade é mesmo ao nível dos equipamentos vocacionados para cidadãos com deficiências, área em que poucas instituições têm apostado.


O autarca de Miranda do Douro, Manuel Rodrigo, voltou a reivindicar o acesso dos habitantes do concelho aos serviços de saúde espanhóis. A medida até já foi discutida na Cimeira Ibérica que se realizou, em Zamora, no início do ano, no entanto, até ao momento ainda não foi dado nenhum passo decisivo para que o acesso aos serviços de saúde de Espanha sejam uma realidade para os habitantes da raia fronteiriça.

Manuel Rodrigo aproveitou a visita do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, à unidade de cuidados continuados local, para lhe transmitir o seu descontentamento pelo arrastar do processo.

“Esta reivindicação não é de agora e já houve tempo suficiente para que fosse feito o trabalho de casa”, apontou.

Francisco Ramos justificou que a demora é natural uma vez que se trata de um processo que tem de ser analisado pelos Governos de Portugal e Espanha. Segundo o responsável, depois do primeiro passo que foi dado durante a Cimeira Ibérica, está a ser feito agora um estudo que definirá de forma concreta como será feito esse intercâmbio.

No entanto, para o autarca mirandês, o que é necessário é que a Administração Regional de Saúde reúna, o mais rápido possível, com a Junta de Castela e Leão para avançar com o processo. Desde que o Governo decidiu encerrar os Serviços de Atendimento Permanente durante a noite, deixando apenas um médico à chamada, que Manuel Rodrigo tem vindo a reivindicar a possibilidade de levar os doentes para Espanha. Em causa estão as acessibilidades, a distância e a qualidade dos serviços. É que para transportar um doente de Miranda do Douro para o Centro Hospitalar do Nordeste, continua a ser necessário fazer o caminho por estradas espanholas num percurso que demora cerca de uma hora.

Já se os doentes pudessem ser transportados para Espanha, a viagem seria de apenas meia hora, até à cidade de Zamora, onde existem duas unidades hospitalares que dispõem de várias especialidades, sendo que algumas nem sequer estão acessíveis na região transmontana.

“Não se justifica que a população percorra mais do dobro do caminho quando, a meia hora de distância, há dois hospitais com todas as especialidades que Bragança não tem”.

Actualmente, o concelho de Miranda do Douro conta apenas com cerca de oito mil pessoas e vive um grave problema de envelhecimento e desertificação humana, conforme apontou o próprio autarca.

“Não temos problemas sociais como a pobreza ou o desemprego e as pessoas conseguem viver aqui com um mínimo de qualidade de vida. Só falta gente”.

Segundo Manuel Rodrigo, da experiência que tem como autarca, um dos grandes problemas que faz com que as pessoas não se queiram fixar no concelho, e até na própria região, está relacionado com os cuidados de saúde. Hoje em dia já há muitos habitantes da raia fronteiriça que recorrem ao cartão de saúde europeu para ser atendido do lado de lá, mas reivindica o autarca que isso “não é solução”. Como também, no seu entender, não é solução ter a ambulância de Suporte Imediato de Vida ou o futuro helicóptero do INEM, que ficará permanentemente em Macedo de Cavaleiros.

“A ambulância não resolve a situação e o helicóptero também não vai resolver”, apontou.

Manuel Rodrigo acredita ainda que o acesso a serviços de saúde noutros países será um processo que se irá justificar dentro da própria União Europeia. Francisco Ramos concorda e justifica que, por isso mesmo, este  terá de ser um processo a analisar e definir concretamente dentro da União Europeia.

 

 


 Já tínhamos aqui falado do Parque Biológico de Vinhais, o primeiro parque do género na região transmontana. As imagens falam por si:

 



Related Posts with Thumbnails
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
Locations of visitors to this page
Eu sou Jornalista
pesquisar neste blog
 
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
26
blogs SAPO