Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
02 de Fevereiro de 2009

 

Há bombeiros contratados no distrito de Bragança que são obrigados a trabalhar horas a fio.

A denúncia parte do STAL (Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local) que este fim-de-semana reuniu com alguns destes profissionais para debater os problemas que o sector enfrenta.

 

O STAL considera que esta actividade profissional é mal tratada por falta de regulamentação específica.

O sindicato denuncia que as entidades empregadoras, neste caso as Associações Humanitárias de Bombeiros, não respeitam o horário de trabalho sendo que os profissionais contratados acabam por ser tratados como voluntários.

 

“Alguns destes profissionais são obrigados a trabalhar um número de horas incomensurável sobretudo o pessoal das ambulâncias e da intervenção” afirma o presidente do STAL, salientando que “muitas vezes ao fim de oito horas de trabalho é obrigado a trabalhar mais oito de voluntário.

“Quando estes profissionais dizem que isso não pode ser a tendência é para os marginalizar e levantar processos disciplinares por coisas sem importância e até suspende-los” refere Francisco Brás revelando que há casos de coacção que já chegaram ao Tribunal de Trabalho. “Em Mirandela um delegado sindical tem sido perseguido e há outros trabalhadores com castigos e já pedimos a intervenção da Inspecção de Trabalho” adianta o responsável do STAL.

 

Contactado pela Brigantia, o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros de Mirandela, Marcelo Lago, não quis prestar declarações sobre o assunto.

No entanto, Maria Eduarda Meireles, operadora de central de telecomunicações nos bombeiros de Mirandela, confirma o mal-estar que se vive na corporação.

“Eu tenho colegas motoristas que têm sido vítimas de perseguição e são os casos que estão em tribunal” afirma a profissional. Maria Eduarda Meireles realça que “temos sido humilhados, maltratados e desrespeitados”.

 

Já um dos motoristas nos bombeiros de Freixo de Espada à Cinta, fala em ameaças de despedimento se os profissionais não trabalharem para lá das oito horas diárias previstas na lei. “O problema do horário de trabalho acontece em todas as corporações e somos ameaçados com despedimento se não estivermos ali para dar mais” afirma Rui Veiga “e para nós nada, nem direito à família” conclui.

 

Perante estas situações o STAL vai exigir às Associações Humanitárias o respeito pelos direitos dos trabalhadores e o cumprimento da lei nomeadamente os conteúdos do Código do Trabalhão e da Contratação Colectiva.

 

O sindicato promete fazer chegar estes problemas às instâncias competentes. “Esta resolução vai ser enviada a todas as entidades do distrito” alertando para “estas pressões e falta de respeito pelo trabalho e pelas regras incluindo ao provedor de Justiça pelos abusos que aqui existem” afirma Francisco Brás. Além disso, “também vamos distribuir um comunicado à população alertando para estes factos e exigir que a Inspecção de Trabalho seja mais operativa” acrescenta o dirigente sindical.

 

O STAL vai exigir do Governo que proceda à regulamentação de carreiras integradas em Corpos Especiais como é o caso das que estão relacionadas com a Protecção Civil e Bombeiros Profissionais.

 

Fonte: Brigantia

publicado por Lacra às 15:00

 Já foram consignadas as obras para a duplicação da Avenida General Humberto Delgado, em Bragança.

Esta empreitada pretende reorganizar a circulação numa das zonas mais movimentadas da cidade e dar aos automobilistas melhores condições de acessibilidade e mobilidade.

A via vai passar a ter quatro faixas de rodagem desde a Escola Abade de Baçal até ao final do Bairro do Pinhal, junto à antiga linha ferroviária, onde vai passar um troço da circular interior da cidade.

O cruzamento junto ao quartel dos bombeiros é “o ponto mais complexo da circulação de trânsito na cidade que vai ficar resolvido com um desnivelamento” adianta o presidente da câmara de Bragança.

Para Jorge Nunes essa é a melhor opção relativamente à rotunda porque “não há espaço nem as condições topográficas o aconselham porque é um terreno desnivelado”.

O autarca acrescenta que o trânsito vai ficar condicionado durante as obras, mas para facilitar a circulação vai ser aberto um arruamento entre o Mercado Municipal e a Avenida D.Sancho I. “Vai ser construído por detrás dos bombeiros, PSP e Escola EB 2/3 Paulo Quintela e de forma antecipada para assegurar o desvio de trânsito enquanto se intervêm na própria avenida” refere Jorge Nunes.

Quanto ao local onde se realiza a feira, num descampado entre a Escola Secundária Abade de Baçal e o edifício da Segurança Social, o autarca salienta que “vai manter-se mas vamos reorganizar o espaço e pavimentar uma plataforma naquela área.”

As obras estão orçadas em quatro milhões de euros e vão decorrer durante um ano e meio.

O prolongamento da avenida até à estrada de Vinhais fica para mais tarde.

publicado por Lacra às 10:45
tags:

 O próximo concurso de colocação de professores pode afastar do distrito de Bragança cerca de 300 docentes. O número é avançado pelo Sindicato de Professores do Norte.


Em 2009 o Ministério da Educação obriga que os professores afectos a um quadro de zona pedagógica concorram a mais do que uma zona.
Uma medida que, para o sindicalista José Domingues, vai atirar os professores para o litoral.



"Todos os professores vão ser obrigados a concorrer a dois quadros de zona pedagógica, como não há condições para colocar todos os professores da zona pedagógica de Bragança. O que vai acontecer é que esses colegas vão ser empurrados para o Litoral. Vai criar graves problemas em termos económicos porque segundo as nossas estimativas isto irá colocar fora do distrito de Bragança à volta de 300 professores, isto quer dizer que vão ser 300 famílias eu vão abandonar Bragança. Vai ser um grande motivo de desertificação."



O concurso dos docentes para 2009 deve acontecer já durante o mês de Fevereiro.

publicado por Lacra às 10:43
01 de Fevereiro de 2009

 

A Direcção do Clube Académico de Mogadouro reuniu ontem de emergência e decidiu emitir um comunicado para defender o nome do clube e dos seus atletas, isto em sequência da suspensão anunciada pelo scn dos seus jogadores brasileiros (decisão da FPF).

A Direcção do CAM vem por este meio, emitir um Comunicado Oficial depois de uma reunião extraordinária de Direcção e departamento jurídico do Clube, em virtude dos últimos acontecimentos relativo a inscrição dos atletas estrangeiros do CAM.

Passamos a esclarecer os factos:

A nossa Direcção foi surpreendida quando, a poucos minutos do encerramento de expediente da FPF nesta sexta-feira, último dia útil da semana, e a 24 horas de uma prova nacional "Taça de Portugal" recebeu um fax da FPF, dando ordens para a suspensão imediata de 11 Atletas do CAM.

A ordem era fundamentada numa alegada dependência de certificados internacionais, nunca antes exigida pela Federação, até porque anexada a inscrição de cada um dos 11 atletas, seguiram sempre, o documento oficial emitido pela FPF informando ao CAM do desconhecimento dos atletas em questão na CBF e consequente liberação legal da primeira inscrição dos mesmos no Futsal português.

Estranhamos o facto de que a informação contrária por parte da CBF, agora surge, tendo sido recebida pela FPF em fax as 13:17hs segundo registo do mesmo, e só as 17:05 foi comunicado ao CAM da ordem de suspender.

O Fax depois de lido, foi tentado contacto urgente com a FPF por telefone através do Presidente do CAM, que a 4 minutos do fecho dos trabalhos da FPF conseguiu-se finalmente estabelecer conversa com o departamento jurídico da FPF para que fossem prestados esclarecimentos. Como era de se esperar àquela hora nada pode ser feito, apesar de se mostrarem solidários com o facto apresentado.

Em contacto permanente com o Presidente da Associação de Futebol de Bragança e com o Presidente do Núcleo de Futsal de Torre de Moncorvo, os quais acompanharam atentos ao desenrolar dos factos, declararam-se indignados com a atitude, tendo o Presidente da Associação de Futebol de Bragança se deslocado a Lisboa para uma Assembleia da FPF onde prometera apresentar protesto.

O CAM desconhece qualquer tipo de pesquisa actualmente feita ao nosso Clube, feita também em simultâneo em outros dos inúmeros Clubes Federados nas 3 divisões e nos campeonatos distritais oficiais, o que mostra claramente um foco dirigido ao nosso Clube.

Por estes motivos foi convocada uma reunião extraordinária de urgência com a Direcção e o nosso departamento jurídico que resolveu dentre outras coisas, emitir este comunicado oficial com os seguintes pressupostos:

Foi considerado o envio deste documento, um acto arbitrário, sem fundamento e, por isso, ilegal por violar os princípios de boa fé e do contraditório, que são basilares na defesa de qualquer entidade e regras fundamentais de todos os procedimentos administrativos. Foi considerado que a decisão agora tomada, resulta não de uma atitude de suspeita de irregularidade por parte da FPF, mas de uma campanha promovida nas últimas semanas em alguns órgãos de comunicação social e por alguns clubes da primeira divisão com o único objectivo de desestabilizar e prejudicar o CAM. Baseado no Comunicado Oficial nº1 da FPF, no seu capítulo 6º "Consulta a Federação Estrangeira" o CAM no uso das suas competências, e demonstrando boa fé, sempre solicitou à FPF, no início da época desportiva a pesquisa de todos os atletas estrangeiros que integram hoje a camada Sénior do Campeonato nacional de Futsal FUTSAGRES 2008/2009, Juniores, e nos anos que antecederam., pagando para tal a taxa de 20,00€ à FPF Em conformidade com o parágrafo 1 deste mesmo capítulo, o CAM sempre informou os 4 itens exigidos: Nome do Atleta, Idade, documento de identificação do mesmo e Federação a qual deveria estar voltada a pesquisa. Tratando-se de atletas de nacionalidade brasileira e lá residindo, sempre foi mencionada a Confederação Brasileira de Futebol, única reconhecida pela FIFA congénere à FPF no Brasil. Recebemos da FPF em 100% dos casos referidos no V. Fax resposta de "DESCONHECIDOS" o que acarretou numa imediata primeira inscrição dos mesmos através da ficha de inscrição e anexada o comprovativo da pesquisa feita pela FPF. Alguns dos Atletas referidos, já jogaram toda a época passada e tratam-se este ano de uma renovação de inscrição. Está caracterizado cumprimento legal por parte do CAM, e da FPF na primeira inscrição dos atletas que sempre jogaram sem nenhuma objecção. Se houve qualquer alegado erro, como indica o V. fax, o mesmo parte do Brasil e nunca poderia o CAM ser penalizado com qualquer suspensão, ou pior, numa sexta-feira ao fim da tarde sem tempo para uma decisão ou contestação. Entendemos que se algo está supostamente errado no sistema de pesquisa, devem rever o mecanismo e a partir de agora e com o conhecimento prévio de qualquer alteração do procedimento do mesmo, por parte de todos os clubes com um adeno ou modificação ao CO nº1, no capitulo referente as pesquisas, mas nunca abruptamente e a menos de 24 horas de uma prova desportiva oficial como a Taça de Portugal a contar fundamentalmente para os oitavos de final.

Sendo assim, o CAM tomará as medidas cabidas para o restabelecimento do bom nome, da moral e da dignidade da nossa instituição, alem de proteger os interesses dos nossos Atletas.

publicado por Lacra às 15:11
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
15
blogs SAPO