Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
09 de Julho de 2009

 

Após três anos a culpar o rato de cabrera (microtus cabrerea) pelo abandono da ideia de avançar com a construção de uma alternativa à EN218, que liga Outeiro e Vimioso, o JN sabe que a existência do roedor não passa de "mera possibilidade".

O Ministério do Ambiente confirmou, ao JN, que "segundo o Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade, não há registo de populações dessa espécie na zona de implantação do projecto, o que existe é uma listagem que referencia a possibilidade de a espécie existir".

A responsabilidade do rato de cabrera na não viabilização do projecto foi conhecida em 2006, quando os autarcas de Vimioso e Miranda do Douro foram informados, numa reunião com o presidente do então Instituto de Estradas, de que o ICNB terá levantado problemas à viabilização do traçado pretendido pelos municípios devido à colónia de ratos. O vice-presidente da Câmara de Vimioso, Jorge Fidalgo, explicou que a Autarquia conhece as conclusões do estudo de viabilidade elaborado pela empresa Pypsa, que recomendava um estudo de impacto ambiental, dada a possibilidade da existência de ratos de cabrera no circuito de Pinela.

No entanto, o Ministério do Ambiente esclarece que o projecto nunca foi objecto de avaliação, com excepção de uma pequena variante, designada "variante à EN218 - Vimioso/Carção" que foi submetida a avaliação de impacto ambiental, em fase de estudo prévio. A avaliação não teve continuidade, pois o EIA não continha informação suficiente para a avaliação posterior, tendo sido objecto de Declaração de Desconformidade, em Fevereiro de 2001.

A razão da desconformidade prendeu-se "com a insuficiente justificação do projecto, lacunas de caracterização da situação e da avaliação de impactos ao nível de vários descritores, como recursos hídricos, hidrogeologia, qualidade do ar, fauna e flora", esclarece o Ministério do Ambiente.

O projecto interferiria com o Sítio Rio Sabor e Maçãs, pelo que o ICNB fez parte da Comissão de Avaliação. "Nada é referido sobre o rato de cabrera", garante o Ministério do Ambiente. A população não sabe se os ratos que se observa de vez em quando são da espécie cabrera, porque ali são conhecidos como "pateal".

 

 

últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
pesquisar neste blog
 
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
15
19
22
23
24
25
blogs SAPO