Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
14 de Junho de 2010

 

 

A noite cai trazendo consigo a escuridão. O som das folhas e das pedras pisadas amplificam-se e sente-se o eco dos animais que povoam o Parque Biológico de Vinhais. Tudo parece maior aqui com a natureza a marcar o justo compasso.

 

 A caminhada continua com passos firmes até à charca da Vidoeira, um lago artificial construído para servir de reservatório de água de rega do Viveiro Florestal e para abastecimento dos bombeiros, em caso de incêndio.

 

Ali, encontra-se um abrigo-observatório pronto a receber os visitantes. A porta encerra-se e resta agora esperar que a fauna se aproxime à vontade. A charca está iluminada e há um sistema de células que avisa automaticamente da presença de animais.

 

Basta aos visitantes aguardar pacientemente nas cadeiras de descanso para que alguns mamíferos selvagens se aproximem para beber água . Corços, gamos e javalis, assim como as aves de rapina nocturnas, animais autóctones da região. Esta é uma das muitas propostas apresentadas pelo Parque Biológico de Vinhais aos visitantes. A três quilómetros da vila, o espaço assume-se como uma verdadeira porta de entrada para o imenso Parque Natural de Montesinho. Ali é possível conhecer a fauna e flora característica da região em três pólos diferentes.

 

A visita inicia-se com um percurso devidamente assinalado com os chamados “biospots” que explicam ao visitante a colecção de animais e plantas que ali pode observar. Junto às massas de água proliferam as rãs, libélulas, libelinhas e borboletas. Também podem ver-se de perto algumas espécies de aves, como a coruja, a águia de asa redonda ou a perdiz cinzenta, uma ave já extinta em Portugal no estado selvagem. Os burros mirandeses, o boi mirandês, o porco bísaro, galináceos, o cão de gado transmontano, são outras das espécies observáveis.

 

O Parque Biológico de Vinhais tem assumido um papel de elevada importância ao ajudar na recuperação de espécies autóctones que se encontravam praticamente extintas, como é o caso da cabra preta. Este exemplar foi recuperado pelo Parque que tem estado a trabalhar na criação desta raça, entregando reprodutores a criadores que assim o pretendam.

 

À Volta do Parque

 

Deste primeiro percurso à charca da Vidoeira há um outro caminho que pode ser percorrido a pé ou de bicicleta. As margens foram renaturalizadas e é possível observar algumas das espécies do Parque, em estado selvagem.

 

Outro dos pontos visitáveis é a Barragem de Prada, uma zona de observação de aves aquáticas típicas de lagoas de altitude, como o mergulhão de crista. Também é possível observar a nidificação de aves e a beberagem de outros animais, como a lontra.

 

Continuando passeio até ao Alto da Cidadelha, um miradouro apoiado por uma pequena construção em madeira, é possível observar ao longe a vila de Vinhais e toda uma paisagem mantida intacta praticamente desde a Idade Média. Aqui o visitante pode descobrir toda a paisagem e a história local, tendo como inspiração o antigo castro romano que ali existiu. Em todos os percursos estão disponíveis os biospots que alertam para as espécies existentes.

 

Texto e Fotos: Carla A. Gonçalves   

Parabéns pelas palavras, muito emocionante. a escrita é um meio de libertação da alma
vivere all'estero a 15 de Junho de 2010 às 11:14



Related Posts with Thumbnails
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
Locations of visitors to this page
Eu sou Jornalista
pesquisar neste blog
 
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
16
19
20
26
30
blogs SAPO