Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
15 de Março de 2010

Tornar um espaço de uma das escolas energeticamente independente da rede eléctrica, apostar na produção de biocombustíveis, produzir energia eólica para injectar na rede, tornar os espaço físico das escolas em edifícios energeticamente eficientes, instalar painéis fotovoltaicos são alguns dos objectivos do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) e do seu programa que visa a criação de um parque de demonstração de bioenergias. A aposta visa, sobretudo, a investigação numa área tecnológica em desenvolvimento. Recorde-se que este Instituto tem uma licenciatura em Energias Renováveis, criada recentemente.

Nesse âmbito foi realizado, no passado dia 12, um seminário sobre biocombustíveis, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTIG). Biachi de Aguiar um dos directores da Unidade de Desenvolvimento de Biocombusteiveis da GALP Energia, orador convidado, referiu que a grande aposta, actualmente, deverá ser na produção de biocombustíveis de segunda geração, ou seja, combustíveis criados a partir biomassa.

Ainda sem essa segunda geração, mediante a qual se poderia transformar resíduos vegetais diversos, ou matéria orgânica, num combustível, o IPB investiu, este ano produção de um biocombustível a partir de óleo de colza, uma oleaginosa que, ao contrário da maioria, se adapta bem a climas frios e continentais. Arlindo Almeida, da Escola Superior Agrária, explicou que esse projecto que está ainda numa fase muito inicial. A sementeira da planta foi feita em Setembro e só no próximo Verão se colherá a semente a partir da qual é possível fazer biocombustível.

No entanto, Bianchi de Aguiar, referiu que em termos de quantidade, o óleo de girassol, cuja produção deverá avançar para abastecer a GALP na zona do Alqueva, poderá ser mais viável. Na região, considera que só será viável a produção de biocombustíveis de segunda geração.

 

IPB produz energia

Entretanto, o Instituto continua a apostar fortemente na investigação, através da criação de um parque de demonstração de energias renováveis.

Segundo Vicente Leite, vice-director ESTIG, as unidades fotovoltaicas das escolas estão já instaladas ( com capacidade de produção de 15 instalados 15 kWh). Neste momento apenas a da ESTIG está em funcionamento. As restantes deverão começar a produzir nas próximas semanas.

Também a curto prazo deverão ser instaladas duas turbinas eólicas nos silos e está em construção uma mini-hídrica junto das instalações da Escola Agrária.

O IPB aguarda o equipamento para a criação de uma unidade de biocombustíveis para produzir energia a partir de óleos usados.  O espaço para receber esse equipamento já está preparado.

No âmbito das experiências tecnológicas em bioenergias, a ESTIG está a montar dois veículos monolugares, um eficiente e outro que funcionará a energia solar. Está ainda a ser electrificado um outro veículo.

Durante os próximos dois anos, deverá ser implantado um projecto para alimentar o edifício da biblioteca da ESTIG autonomamente, sem qualquer alimentação externa da rede eléctrica, ou de outra forma de energia. Isso será feito através de energia fotovoltaica. Nesse âmbito, os vidros da biblioteca vão ser substituídos por vidros fotovoltaicos, cuja a instalação deverá ser concluída nos próximos três meses.

“Esta unidade vai começar a ser testada ainda este ano em laboratório, com um conjunto de cabos, criando condições similares às da biblioteca, para podermos validar e para evitar problemas de funcionamento”, explicou Vicente Leite. A alimentação energética da biblioteca de modo autónomo irá requerer um sistema de controlo interno para garantir a estabilidade da corrente.

Deste modo, e como as energias alternativas podem ser intermitentes, vai também instalar-se um gerador a diesel, para quando tudo falhar.  Provavelmente funcionará a bio-combustível produzido na unidade de produção local.

A par de tudo isto, está em execução um programa de eficiência energética, nas escolas do campus do IPB. Esta é o programa que absorve mais investimento, cerca de 1,5 milhões de euros. No parque de demonstração de energias renováveis está a ser investido cerca de um milhão de euros.

Entretanto foi já instalada energia solar térmica para a produção de água quente nas residências de estudantes, nas cantinas e nos bares.

No âmbito deste parque, apenas a energia produzida nos silos, energia eólica, deverá ser injectada na rede. No caso das escolas Agrária, ESTIG e Escola Superior de Educação a energia será para injectar na rede das escolas e será completamente absorvida.    

 

Fonte: Mensageiro Notícias

publicado por Lacra às 10:18



Related Posts with Thumbnails
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
Locations of visitors to this page
Eu sou Jornalista
pesquisar neste blog
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
27
28
blogs SAPO