Dia-a-dia de um distrito rural, doze concelhos e meia dúzia de pequenas cidades encravadas nas montanhas mais a norte de Portugal
17 de Dezembro de 2009

 José Rentes de Carvalho, português de Trás-os-Montes a viver na Holanda desde os anos 50, esqueceu os canais, as túlipas, as pontes e os moinhos de vento, e arriscou esmiuçar o carácter dos holandeses. "Com os Holandeses" é o livro improvável com um resultado ainda mais improvável: uma sátira agridoce sobre um povo demasiado arrumado, bruto, obediente e desapaixonado, que é um best-seller naquele país, desde que foi publicado em 1972. Na Holanda já vai na 13ª edição, a Portugal só chegou este ano. Durante a entrevista, em Lisboa, o português que já foi citado pelo primeiro-ministro holandês, responde com risos, piadas e anedotas. E usa o comportamento dos holandeses para satirizar o dos portugueses. "Se os holandeses soubessem quanto tempo perdemos ao almoço ficariam chocadíssimos."


"Com os Holandeses" foi citado pelo primeiro-ministro holandês Jan Peter Balkenende num discurso ao comissário europeu Durão Barroso. Conseguiu convencer o primeiro-ministro a concordar consigo? 

Quando é preciso uma referência simpática contra os holandeses pega-se no livro e está lá tudo. Entre os muitos defeitos dos holandeses, eles têm uma qualidade de fazer inveja: aceitam as críticas e têm capacidade para se rir de si próprios. 

É isso que explica que seja best-seller na Holanda, apesar de ser um livro crítico dos holandeses?

Os holandeses têm uma atitude diferente em relação à crítica. Quando são criticados, não vão insultar o crítico, mas antes ler e pensar: porque é que este sujeito diz isto de nós? Não o vêem com maldade, antes como um contributo para tornar a imagem do cidadão ou do país mais nítida ou descobrirem outro ponto de vista que não conhecem. É uma marca de civilização. 

Já esperava isso antes de escrever o livro?

Não. O livro foi escrito no seguimento de uma conversa de café, com um editor holandês. Nesse dia estava extremamente maldisposto, dizia que os holandeses eram racistas, chatos, desapaixonados. Ele sugeriu: "Por que não escreves sobre isso?" Estava na Holanda há 14 anos e respondi-lhe que não, que isso era impensável. Despedimo-nos e dias depois tinha um envelope da editora com um cheque e uma carta a dizer: "Este é o adiantamento dos direitos de autor do livro que vais escrever."

Os holandeses costumam falar consigo sobre o livro?

Tenho duas caixas cheias de correspondência de leitores. Até hoje, só tive uma reacção negativa. E nem foi de um holandês, foi de uma grega, que escreveu num jornal: "Se não gosta de viver neste país, vá-se embora."

Escreveu que os holandeses são "indivíduos cujo temperamento não se coaduna às fantasias, às perdas de tempo, aos descuidos, menos ainda à indolência, fanáticos do planeamento, da previsão e do arrumo." Afinal, como são os holandeses? 

Grandes, loiros, reservados, correctos, um bocadinho forretas [risos], muito organizados, demasiado obedientes, extremamente sensíveis ao controle social. 

Há alguma lição que deveríamos aprender com eles?

Se os holandeses soubessem quanto tempo perdemos ao almoço ficariam chocadíssimos. [risos] O almoço lá são duas sandes de queijo e uma chávena de café. Também, pudera, a gastronomia deles é péssima. Por outro lado, lá sinto dificuldade em exprimir a minha capacidade de preguiça. Aqui preguiço com uma grande variedade de argumentos: a ligação à internet é fraca, hoje está muito calor ou muito frio. Lá não posso usar essas desculpas, sinto-me obrigado a mostrar trabalho.

E o sentido de organização deles, faz-nos falta? 

Essa necessidade de organização é ditada pela grande quantidade de pessoas num espaço restrito. Tem um preço: o contacto é muito frio. Enquanto nós não temos organização nenhuma, mas damos todos abraços. Sou amigo dos meus vizinhos, já os conheço há 23 anos e eles até têm as chaves da minha casa. Mas se saio e a vizinha está a limpar os vidros, ela não olha para mim nem diz bom dia. Em parte é frieza e reserva, outra parte é para não incomodar. É uma atitude ambígua.

Qual o maior choque que sentiu quando pisou a Holanda? 

A frieza das pessoas. Por outro lado, eu vinha de um país católico e refreado. Quando cheguei a Amesterdão nos anos 50, a liberdade entre homens e mulheres já era tão grande que foi uma festa. Para quem ia daqui, onde apertar a mão era pecado...

Sentiu-se discriminado quando chegou? Diz que eles são racistas e xenófobos.

No início não. Como era diplomata e tinha um carro com chofer, os holandeses olhavam-me com um certo respeito. Quando virei pobre, senti a diferença: passei a ser um estrangeiro. Quando comecei a aparecer muito nos jornais, a atitude mudou outra vez. E agora faço parte do mobiliário.

 

Entrevista do "GRANDE" Rentes de Carvalho ao Jornal I



Related Posts with Thumbnails
últ. comentários
obrigado Cris:)
Bem vinda :))
Helder Fráguas sofreu a perda da sua companheira, ...
Para mim e para muita gente a volta às adegas para...
Estou habituado na leitura de blogs on line, adoro...
me llamo fedra soy de santa fe argentina tengo 9 ...
Carissimos,Eu não sei quem inseriu o comentário em...
todos os comentários estão disponíveis e vísiveis.
Como faço para ler os outros comentários ? Ou esse...
deixo aqui o meu comentário; por acaso pude apreci...
Locations of visitors to this page
Eu sou Jornalista
pesquisar neste blog
 
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
19
26
blogs SAPO